1 de agosto de 2009

Memórias de um Peixe Boi - Parte 1.

Estou velho e doente. Resolvi contar a minha história. Nada de mais. Mas como tem muito voyeur neste mundo, pode ser que tenha algum público. Afinal, se há quem adora ver pessoas confinadas participando de joguinhos divertidos, a história do mamífero aquático aqui, tem seus momentos interessantes.

Tratarei de sexo, violência e drama. Pra novela das 8 nenhuma botar defeito. Começarei pela minha infância. Por uma questão de sequência lógica, claro.

Nos meus tempos de peixinho, tinha vários apelidos. E não é nada fácil viver como mamífero num lugar dominado pelas aves, peixes e répteis. Bem, como dizia tive vários apelidos. Dentre eles me lembro bem de ser chamado "carinhosamente" de Jersey, Holandês, Bradford, Zebu, Criolo Lageano e o que eu mais detestava: Charolês. Justamente este é que pegou. Provavelmente por não conseguir esconder minha insatisfação com a referida alcunha. Como ficava visivelmente indignado, todos riam que se mijavam. E não teve jeito. Pegou.

Eis, portanto, como fiquei conhecido e sou tratado até hoje. Charolês. Hoje já me acostumei, claro. Não porque a maturidade me tornou mais condescendente com esse tipo de gracinha. Mas porque, o viado do boto cor de rosa que me botou esse apelido acabou tomando o que merece. Falarei disso. Mas só na segunda parte, tá?

Fim da primeira parte.

4 comentários:

  1. tadinho do peixe boi...hahahaha

    ResponderExcluir
  2. "Memórias de um peixe-bo"i daria um bom título para sua autobiografia. Mas capriche nos escândalos, senão não vende.

    forte abraço

    ResponderExcluir
  3. Pra minha autobiografia? vo pensar na ideia hahahaha

    ResponderExcluir
  4. Cara... não sei se é realmente o pior ser chamado de Charolês. Até pq ele tem considerávelmente menos cornos que outros como o Crioulo lageano. Chega a ser quase mocho. hehehe. Eu acho q esse peixe boi se encomodaria com quaisquer que fosse o apelido que lhe cunhassem. Assim sendo, a repugna dele se daria com os outros apelidos também. Mas isso acabou suprimido do subconsciente do peixe-boi, que passou a só odiar este apelido.

    ResponderExcluir